Como escolher o primeiro emprego após a faculdade?

O Instituto de Pesquisa em Ciências do Trabalho do Ministério do Trabalho realizou uma pesquisa sobre a “Primeira Busca de Emprego”, e os resultados mostraram que metade das pessoas optou por trabalhar cegamente pela primeira vez, onde 33,2% só desejavam desde logo o "primeiro emprego, depois escolher um melhor", 16,3% escolheram o primeiro emprego "sem muita consideração com sua área", apenas 11,1% escolheram segundo seus interesses e hobbies, 6,4% escolheram conforme perspectivas futuras. 

A pesquisa mostra que mais da metade dos graduados acredita que a maior dificuldade em encontrar um emprego é deles mesmo "não saber para que servem, no que são melhor", seguida de "não entender os padrões para a contratação das empresas". 

Com a cegueira e a arbitrariedade da procura de emprego, ocorrem frequentemente a quebra de contrato e a busca de emprego, a taxa de rotatividade de estudantes universitários em um ano chega a 50% num escritório, e a taxa de rotatividade em dois anos é de quase três quartos de seu quadro. A má aceitação de recém-formados formou um círculo vicioso.

Quando os estudantes universitários optam por trabalhar, a maioria valoriza a estabilidade, o salário, as grandes cidades e as grandes empresas e acham que os empregos que atendem a mais de dois desses critérios são bons. Então, o que os estudantes universitários devem valorizar ao escolher seu primeiro emprego? Que tipo de trabalho é bom? Como posso escolher meu primeiro emprego? 

Recentemente, entrevistamos vários especialistas em recursos humanos e pedimos que falassem sobre seus pontos de vista, e acredito que será instrutivo para estudantes universitários.

Que tipo de trabalho é bom?
Os alunos precisam crescer e aprender o sentido do emprego, não só o que eles querem, o que gostaria de fazer, como o que fazer, mas para o que ele é adequado, pois muitas vezes não pode fazer o que deseja. Acredito que existem dois fatores principais que levam a esse pensamento: um é que eles não se situam, e o outro é que as necessidades da organização são inconsistentes com as dos indivíduos. 

Como isso pode ser alterado? Uma é obter um entendimento claro de si mesmo por meio de avaliação e ferramentas e análises científicas, geralmente disponível na própria faculdade.

Para o padrão de bom trabalho, o individuo precisa passar pelo crescimento, estágio e pertencimento. Um salário generoso, um senso de crescimento, a capacidade de aprender e expandir o conhecimento. Um senso de pertença é a identificação e aceitação da organização. Para os estudantes universitários recém-formados, o senso de crescimento é o mais importante. Para os profissionais maduros na faixa dos 40 e 50 anos, o senso de pertencimento é a coisa mais importante. 

As necessidades da organização e as necessidades do indivíduo são altamente contraditórias: antes dos 35 anos, o chefe quer que os funcionários pertençam e sejam leais à empresa, mas os funcionários não pertencem à organização. Antigamente os funcionários queriam pertencer à empresa, mas eram eliminados porque eles podiam inovar mais ou acompanhar o crescimento da empresa. Hoje a situação está revertendo.

As pessoas podem crescer onde quer que tenham suas habilidades. Pela perspectiva de futuros efeitos objetivos, as pessoas que podem se tornar especialistas são geralmente pessoas que experimentam os riscos do que outros. Sem experiência e experiência de base, as pessoas são cruas. Por exemplo, poucos líderes de nosso país ocupam cargos de alto nível em grandes empresas desde o início, e quase todos começaram em pequenos locais e em alguns bem inacessível. É claro que não é que todos tenham que passar por isso, mas o ideal acredito é começar pelas posições base, pelas pequenas coisas, indo pelas bordas, em vez de procurar direto o ponto X.

O período de graduação é um período de ouro para uma pessoa. O que você aprendeu durante esse período cria o conhecimento básico de uma pessoa estrutura. Várias habilidades, como memória e capacidade de análise lógica, atingiram o nível mais alto. Contudo, deve se atentar se o trabalho está alinhado com a profissão e também com base em características pessoais. 

Excelentes talentos estão concentrados em excelentes organizações
Quanto à escolha entre ir para uma grande empresa ou uma pequena e média empresa, acho que excelentes talentos estão concentrados em excelentes organizações. Em geral, pequenas e médias empresas que estão em um estado de sobrevivência geralmente treinam pessoas que podem fazer qualquer coisa, mas tudo pode ser igual a nada, e os profissionais multiuso não costumam assumir altas gerencias.

Nas grandes empresas existem programas de treinamento sistemáticos, com estratégia empresarial e estratégia de recursos humanos que são mais propícias ao desenvolvimento de bons profissionais. No entanto, se uma pessoa sem esse perfil vai para uma empresa grande, geralmente não consegue encontrar seu lugar. Na fase de transição do aluno para o profissional, algumas pessoas se transformam conscientemente para aprender o conhecimento, a etiqueta e as regras do local de trabalho. Por isso, geralmente leva um curto período de tempo ou até alguns meses para concluir com êxito a transformação, a maioria das pessoas não conscientemente. Geralmente, leva cinco ou seis anos para aceitar a influência da organização, e algumas pessoas resistem a esse tipo de mudança. Eles são nostálgicos pela vida simples e pelo ambiente de trabalho. Essas pessoas são as mais perigosas para empresas e correm o risco de serem eliminadas. 

Em suma, esforços subjetivos devem ser combinados com escolhas objetivas. Talentos de primeira classe vão para empresas de primeira classe, talentos de segunda categoria vão para empresas de segunda categoria, os não tão talentosos vão para empresas de última categoria e pessoas de todos os níveis podem encontrar o seu lugar. Nem todo mundo é adequado para ir a um grande negócio.

Estudantes universitários que trabalham há vários anos costumam mudar de emprego. Mas a análise de sua trajetória de desenvolvimento revelará que a procura de emprego geralmente é irregular e mostra movimento nos objetivos. Quer você esteja mudando de cargo rara ou repentinamente, não deixe de ouvir as opiniões dos supervisores, profissionais como gerentes de recursos humanos, porque o conhecem melhor, sabem mais sobre você ou têm mais conhecimento e experiência profissional. 

Por exemplo, se você deseja iniciar um negócio, deve pedir a opinião de alguém que já o criou ou está em negócio semelhante, ele poderá fornecer informações valiosas em vez de perguntar a outras pessoas, como seus pais ou seus colegas de trabalho. Isso chama feedback.
   
(Kuang Jie) "Bom trabalho e mau trabalho variam de pessoa para pessoa". Para julgar se um trabalho é bom ou não, você pode consultar os seguintes padrões:
Pode-se aprender alguma coisa. O primeiro trabalho é acumular experiência de trabalho, não importa. Quando você começa a trabalhar, o maior exercício para si mesmo é um bom trabalho, pois permite aprender algo como receber clientes, usar material de escritório e escrever um e-mail.

A segunda é como a empresa cresce. Embora uma empresa não seja de grande escala, mas esteja crescendo, você pode crescer com a empresa. Essa oportunidade de emprego é um bom trabalho e você não precisa ir a uma grande empresa e ocupar uma posição alta. Os grandes executivos geralmente começam com um pequeno papel em uma empresa e trabalham por décadas e crescem gradualmente. Se você quer crescer e fazer carreira, é mais importante aprender algo e se desenvolver em uma empresa em crescimento.

O terceiro é atender às características próprias do indivíduo. Em termos de desenvolvimento pessoal, você quer ser um especialista ou um generalista? Se você quer ser um generalista, a procura de emprego entre profissionais certamente não é um problema. Se você quer ser um profissional, pode encontrar um emprego de acordo com o curso. 

Se um trabalho é bom ou não, varia de pessoa para pessoa, dependendo se está alinhado com seu estilo de vida pessoal, se é propício para o seu lazer e dosado com seus pontos fortes e fracos, e se você é adequado ao estilo ou cultura de sua empresa. Fatores como cidade, registro e salário precisam ser considerados e também são muito importantes, mas essas não são as questões mais importantes e é necessária uma perspectiva de longo prazo. Se o objetivo de carreira de uma pessoa é iniciar um negócio, não é necessário escolher uma cidade grande. De um modo geral, a seleção de uma empresa deve seguir os seguintes critérios: Primeiro, se a empresa está se desenvolvendo de forma saudável, pois dessa maneira o indivíduo pode se desenvolver bem; em segundo lugar, se a empresa dá oportunidade de desenvolvimento dos funcionários, dando treinamento, respeita e protege todos os direitos legais dos funcionários. Afinal, um bom chefe é o melhor professor.
   
Como escolher seu primeiro emprego
O primeiro trabalho é muito importante, então como escolher? Penso que os estudantes universitários devem fazer algumas outras considerações: 
Devem entender-se completamente e descobrir suas necessidades internas. Os estudantes universitários devem ter uma posição em relação a si mesmos, querem ganhar dinheiro ou querem realizar-se, exercitar-se ou querem continuar aprendendo? Sua capacidade e personalidade são adequadas para execução, gerenciamento ou para a criatividade? O cargo fornecido por este trabalho é adequado para o seu planejamento de carreira? Se você é persuasivo e se atreve a enfrentar o desafio, pode ser um vendedor; se possui uma habilidade e não tem muito interesse em outras áreas além da tecnologia, vá à empresa para ser um técnico. Se uma pessoa apaixonado por negócios ficar desatenta e se torna um funcionário público, é provável que termine sua vida angustiado em um escritório do governo. 

Como dito acima, as pessoas que não têm capacidade de auto-exame podem ir ao centro de orientação de emprego da faculdade para encontrar um conselheiro para consultar.

As grandes empresas tendem a gerenciar de forma padronizada, com sistemas completos de treinamento, com boas experiências no setor e tratamento generoso, mas seu espaço de crescimento pessoal é limitado. Por outro lado, A divisão do trabalho nas Pequenas e Médias Empresas não é muito claro. Muitas vezes, uma pessoa tem que desempenhar várias funções e ter uma carga de trabalho maior, mas permitirá que você obtenha exercícios mais adequados e mais oportunidades de promoção, especialmente para ajudar você a entender o conhecimento de todo o setor e pode estabelecer uma base para o futuro empreendedor. 

Ao mesmo tempo, a vida de uma empresa é dividida aproximadamente em cinco estágios, a saber: período de desenvolvimento, período de crescimento inicial, período de crescimento tardio, período maduro e período de recessão. Entrando em empresas diferentes, o espaço de promoção, as oportunidades de aumento salarial, a estabilidade no emprego, os riscos e as oportunidades são diferentes e você deve escolher com cuidado.

Para escolher um cargo em que você possa exercer sua capacidade
Alguns candidatos estão se candidatando a várias cargos de empregos, a fim de aumentar a possibilidade de ser selecionado e a empresa enviar várias entrevistas, isso será considerado pela empresa como não entendendo seu qualificação e acaba por ser desclassificado.

Agora, devido à pressão no emprego, muitos estudantes universitários aceitaram a ideia de partir da base. No entanto, é importante deixar claro que partir da base não significa começar em qualquer posto. Vendedores de motos, carga e descarga, balconistas, tais posições excessivamente básicas, embora também possam aprender alguma coisa e ter algumas pessoas bem sucedidas nessas posições, mas, no geral, não podem cultivar sua competitividade efetiva de estudante universitário e, portanto, também não é possível obter um espaço maior para o seu crescimento ali. 

Não tenha medo da "perda dupla" (fora da escola + fora de emprego)
A maioria dos estudantes pensa subconscientemente que deve encontrar um emprego antes da formatura, caso contrário, ele será uma pessoa desempregada que falhou e está incapacitada. Pensar isso pode ser um erro grande. Por que não sacrificar um mês ou dois de salário em troca de um emprego que realmente lhe convém? Ao procurar um emprego após a formatura, você pode se candidatar de todo o coração, sem precisar se preocupar com coisas como tese de graduação e formaturas. 

Não se limite à dependência geográfica
Você não está disposto a se dar mais opções de carreira com base na dependência geográfica psicológica. Qual é a diferença do sapo no fundo do poço? Poderia ser mais feliz andar de bicicleta em Pequim para trabalhar em uma tempestade de poeira do que dirigir uma BMW no campo? Alguma empresa em sua região tem mais oportunidade para crescimento que as empresas da circunvizinhança? 

Não se limite às indicações de colegas profissionais
Embora a indicação de emprego entre profissionais esteja se tornando cada vez mais popular, ainda existem muitas empresas que preferem o desconhecido, guiados pelo puro profissionalismo. Peço ajuda aos colegas mas foque principalmente nas oportunidades desconhecidas, pois ao contrário que muitos imaginam, que quanto maior o nível de escolaridade, mais forte a competitividade do emprego, não é. Quanto maior o nível de escolaridade, mais estreita a área de emprego.

Não foque apenas no salário
É uma realidade quantitativa, mas o futuro é difícil de entender. Se você se preocupa demais com seu salário, é provável que escolha um setor ou empresa que não seja adequada para você ou que tenha um futuro sombrio. Embora possamos obter uma renda considerável temporariamente, o espaço de desenvolvimento é bastante restrito.
   
Para o tópico "como encontrar um bom emprego", acho melhor analisá-lo de outro ângulo. Se pudermos pensar em que tipo de funcionário eles acham que é um bom funcionário e fazer o que pensam da perspectiva da empresa, não está longe de encontrar um bom emprego.

As empresas geralmente reclamam que não têm o senso de propriedade e não colocam os interesses da empresa em primeiro lugar; não são sérios o suficiente para fazer as coisas, não estão dispostos a fazer pequenas coisas (na verdade, não há pequenas coisas); encontram problemas e não solução; comete erros e relutam em admiti-los, e sempre encontram desculpas em suas irresponsabilidades; não tomam a iniciativa de agir (falta de proatividade); confiam demais nos outros; faltam um senso de honra coletiva; trabalham sem dedicação e responsável. 

Se você puder concluir ativamente as tarefas especificadas por seus superiores, faça todas as coisas triviais com cuidado, sempre preste atenção à manutenção da imagem corporativa e dê opiniões construtivas à empresa, compartilhe o necessário com a empresa e mantenha boas relações interpessoais. Com um espírito de equipe, essa pessoa pode ser bem-vinda pela empresa.

Para encontrar um bom emprego, minimizar o risco de procura de emprego e evitar os custos (altos e baixos) no processo de encontrar a empresa o máximo possível, lembre-se que não há um padrão universal. Ao contrário, o que melhor combina com você é o melhor. Estabilidade, região, e empresas renomadas são os padrões de bom trabalho que são quase universalmente reconhecidos por estudantes, estão sendo subvertidos. Na minha opinião, um bom trabalho deve atender aos seguintes padrões: um é atingir seus objetivos pessoais de carreira, o outro é tornar-se útil e o terceiro é alcançar um melhor equilíbrio entre trabalho e vida. Espero que todo estudante possa encontrar um bom emprego em sua mente.

0 comentários:

Postar um comentário

My Instagram